Eu saudável Cristina Sales

Uso de tampões: está consciente dos perigos?

O uso de tampões durante o período menstrual expõe-na a alguns perigos sobre os quais deve estar consciente.

A vagina é revestida de uma mucosa através da qual são facilmente absorvidas substâncias com as quais permanece em contacto prolongado.
Como todas as mucosas, a mucosa vaginal está, de forma natural, permanentemente humedecida para manter o seu equilíbrio funcional. O interior da vagina é um espaço sem oxigénio o que limita o desenvolvimento de microrganismos e a protege de algumas infecções.

Sabendo isto, tome consciência de algumas das consequências do uso de tampões:


Sobre as fibras de algodão e sintéticas
Os tampões mais usuais são constituídos por uma mistura de algodão e fibras sintéticas.
O algodão, não sendo um alimento, é um dos produtos agrícolas em cuja produção são usadas enormes quantidades de pesticidas e outros agrotóxicos. Estas substâncias estão presentes nos tampões e podem ser absorvidas pela mucosa vaginal de forma cumulativa.

O algodão usado tem fortes probabilidade de ser OGM, cujos efeitos a longo prazo na saúde humana não são, para já, conhecidos.

Para branquear as fibras de algodão e as sintéticas são usados branqueadores, substâncias químicas responsáveis pela presença de dioxinas nos tampões. As dioxinas são das substâncias químicas mais fortemente associadas ao risco de cancro. Já foram identificadas quantidades inaceitáveis de dioxinas em algumas marcas de tampões.

As fibras sintéticas dos tampões deixam resíduos na vagina com risco de absorção, que embora em quantidades muito reduzidas, têm também efeito cumulativo pelo uso repetido.

As fibras sintéticas usadas nos tampões, sobretudo as fibras super absorventes, facilitam o desenvolvimento de algumas bactérias, nomeadamente de Staphlococcus aureaos, que foi a responsável por alguns, raros mas fatais, casos de "Síndrome de Choque Tóxico” TSS (Toxic Shock Syndrome).

Se os tampões tiverem fragrâncias aumentam o seu nível de toxicidade, com relevo para os especialmente perigosos compostos orgânicos voláteis constituintes dos perfumes sintéticos, não provenientes de essências naturais.


Sobre a presença demorada dos tampões na vagina

A presença de tampões na vagina permite a entrada de ar, e portanto de oxigénio, alterando o meio ambiente natural da vagina. Este oxigénio facilita o desenvolvimento de alguns micro-organismos que alteram a constituição da flora vaginal normal, aumentando o risco de infeções vaginais.

Os tampões impregnados de sangue menstrual que permanecem varias horas num ambiente húmido e à temperatura corporal fornecem os nutrientes adequados ao desenvolvimento bacteriano e, também isto, facilita as infecções vaginais.

O sangue menstrual que permanece retido na vagina à temperatura corporal em contacto com o oxigénio sofre alterações de decomposição que pode ser responsável por absorção de substâncias tóxicas.

Os tampões "super absorventes”contribuem para desidratar e secar a mucosa da vagina, fragilizando-a, abrindo caminho a vaginites e inflamações recorrentes.

Este conjunto de circunstâncias pode estar na origem de inflamações ginecológicas,  mal-estar e inflamações pélvicas recorrentes cuja causa pode ser difícil de identificar e diagnosticar.

Use tampões agindo com bom senso
Com estes conhecimentos, pense no melhor para si e tente usar os tampões com bom senso.

Em síntese:

- Por rotina não usar tampões;
- De noite nunca usar tampões;
- Usar tampões exclusivamente em circunstâncias especiais, como na ida à praia, à piscina ou numa festa;
- Optar por tampões orgânicos ou biológicos e sem fragrâncias ou perfumes;
- Optar por tampões não super absorventes;
- Mudar o tampão de três em três horas, mesmo que tenha pouco fluxo.

Agora que já sabe que os tampões e todas as variáveis que os envolvem os tornam agentes ativos dentro do corpo humano. Proteja-se!

EsmeraldAzul – para uma vida saudável, consciente e sustentável

Post já publicado a 8 de Março 2013, na quinzena temática Mulher 25 & 50


0 comentários

Entrar

Deixe o seu comentário

em resposta a