Tenho artrite! O que devo comer?

Alimentação Veja qual alimentação mais adequada e indicada para quem possui artrite.
Você vai ler:

Artrite significa inflamação das articulações. Existem muitos tipos de artrite e as causas são muitas vezes desconhecidas e podem ser diversas:

  • Traumatismos;
  • Infecções;
  • Desregulação imunitária;
  • Ácido úrico elevado.

Os sintomas conduzem a diminuição da qualidade de vida.

  • Dor;
  • Inchaço;
  • Rigidez;
  • Deformação e até dificuldade em realizar movimentos.

Independentemente da causa da sua artrite, a sua alimentação pode e deve ser anti-inflamatória!

Mantendo uma alimentação anti-inflamatória vai estar a contrariar as reações que lhe causam a doença e pode sentir muitas diferenças!

Controle o tipo de gorduras que consome – estas influenciam e muito a inflamação.

Deve existir um equilíbrio entre as gorduras ómega 3 e ómega 6 que ingere pois excesso de ómega 6 potenciam a inflamação e os ómega 3

São anti-inflamatórios:  

  • Coma peixes gordos 2 vezes por semana, pelo seu teor nos ómega 3 EPA e DHA;
  • Prefira peixe de captura selvagem e os mais pequenos, pois nos maiores há maior probabilidade de acumulação de mercúrio e outros tóxicos. São bons exemplos, sardinha, sarda, cavala, salmão;
  • Coma todos os dias pelo menos uma vez, oleaginosas e sementes ao natural (sem sal e não fritas) – nozes, amêndoas, avelãs, cajus, pinhões, sementes de linhaça, sementes de abóbora, sementes de chia, etc;
  • Boas opções para tornar pães e tostas mais apetitosos: pasta de amêndoa, pasta de noz, azeite, salmão fumado, pasta de azeitona;
  • Elimine totalmente gorduras trans, margarinas e óleo de girassol/milho/soja. Esteja atento à lista de ingredientes, não compre nada com "gordura hidrogenada” ou "parcialmente hidrogenada”;
  • Utilize sempre azeite para cozinhar (gordura monoinsaturada) ou óleo e amendoim. Como alternativa para temperar saladas pode usar por exemplo óleo de linhaça de primeira pressão a frio.

Para além das gorduras, lembre-se de outros componentes com capacidade anti-inflamatória (bioflavonóides, polifenóis, outros antioxidantes, vitaminas, minerais,…)

Faça uma alimentação com o mínimo de químicos possível:  

  • Coma alimentos de origem biológica sempre que possa;
  • Coma frutas e legumes biológicos, de cores variadas todos os dias. Varie na forma de utilização: crús, em batidos e smoothies ou cozinhe mas pouco e em pouca água, salteados em azeite. Brócolos, couves, alho, espinafres, frutos silvestres devem estar entre as suas preferências;
  • Prefira carnes brancas. A carne de porco é bastante inflamatória;
  • Prefira cereais integrais e semi-integrais e varie nos cereais usados quer nas refeições principais, quer nos pães/tostas/flocos de possíveis lanches (arroz, massa, quinoa, millet, espelta, trigo sarraceno, bulgur, amaranto, etc);
  • Faça refeições vegetarianas algumas vezes por semana, usando alguns destes alimentos: grãos de soja, tofu, tempeh, natto, leguminosas (feijão, grão, favas, ervilhas, lentilhas), cereais integrais e muitos legumes frescos;
  • Coloque sempre ervas e especiarias na comida. Dê especial atenção às mais anti-inflamatórias como curcuma, gengibre, alecrim, orégãos, noz-moscada;
  • Use algas como a alga kombu (em caldeiradas de peixe e sopas ficam ótimas);
  • 1 ou 2 quadrados de chocolate preto com mais de 75% de cacau e de preferência biológico pode ser usado várias vezes por semana;
  • Prefira chá (verde, branco e oolong) a café;
  • Se optar por bebidas alcoólicas prefira vinho tinto.

Elimine alimentos pró-inflamatórios, incluindo aqueles que lhe causam inflamação a si especificamente e que podem ser determinados em testes de sensibilidade alimentar.

No fundo o que tem de fazer é pôr em prática uma alimentação mediterrânica!