Sabia que a música ajuda a aprender?

Bem Estar Descubra porque a música ajuda a estimular nosso cérebro a aprender, entenda como as ondas musicais afetam positivamente nosso cérebro.
Você vai ler:

Primeiro temos que perceber como o nosso cérebro funciona e porque é que a música estimula a nossa aprendizagem.

Hemisférios cerebrais

No nosso dia-a-dia, a maioria das pessoas utiliza mais o hemisfério esquerdo, considerado racional, não utilizando tanto o hemisfério direito, onde se processa por exemplo a imaginação criativa, a serenidade, facilidade de memorização.

O ideal seria trabalharmos igualmente com os dois hemisférios, equilibrando o uso das nossas potencialidades.

O uso de música apropriada que diminui o ritmo cerebral contribui para que haja equilíbrio no uso dos hemisférios cerebrais.

Como?

Para compreendermos esta questão temos primeiro que perceber que o cérebro funciona através das ondas beta, alfa, teta e delta. Iremos apenas falar das duas primeiras.

As ondas cerebrais beta são emitidas quando estamos com a mente consciente e em alerta.

As ondas alfa, pelo seu lado, são emitidas quando nos encontramos em estado de relaxamento físico e mental, embora conscientes do que ocorre à nossa volta.

Geralmente funcionamos sob o ritmo cerebral beta.  

Quando diminuímos o ritmo cerebral para alfa, ficamos na condição ideal para aprendermos novas informações, memorizar dados, elaborar trabalhos difíceis, aprendermos diferentes tarefas, analisarmos situações fora da nossa zona de conforto, etc.

São as atividades como a meditação ou exercícios de relaxamento que proporcionam sensação de calma e  que desenvolvem este estado alfa.

Este relaxamento ou estado alfa produz aumentos significativos de beta-endorfina, noradrenalina  e dopamina, ligadas à clareza mental ampliada e à formação de lembranças.

Este efeito pode prolongar-se por horas ou até mesmo dias.  

É um estado ideal para o pensamento sintético e a criatividade, funções próprias do hemisfério direito.

Como é fácil para este hemisfério criar imagens, visualizar, fazer associações, lidar com desenhos, diagramas e emoções, além do uso do bom humor e do prazer,  o conteúdo a aprender será melhor absorvido. 

E é aqui que entra a música.

A música Barroca e clássica

O estudo mais citado é o "efeito Mozart", um conjunto de resultados de pesquisas que indicam que ouvir música de Mozart pode induzir uma melhoria de curto prazo.

Sobre o desempenho de certos tipos de tarefas mentais conhecidas como " raciocínio espacial-temporal ", que é a capacidade de pensar em soluções de longo prazo, mais abstratas, para os problemas lógicos que possam surgir.

Segundo  Chris Boyd, a música estabiliza ritmos mentais, físicos e emocionais para atingir um estado de profunda concentração e focagem no qual grandes quantidades de informação podem ser processadas e aprendidas.

A música barroca com um bater padrão de 60 batimentos por minuto cria uma atmosfera de focagem que induz as pessoas numa profunda concentração, no acima referido estado alfa, das ondas cerebrais.

Apresenta a mesma frequência que um feto escuta e direciona automaticamente para o lado direito do cérebro, fazendo com que as informações sejam gravadas na memória de longo prazo.