Ressonar é mau para o coração?

Bem Estar Veja se o ressonar pode causar mal ao coração e como ele age na saúde causando ainda mais problemas.
Você vai ler:

Quando se dá um colapso a nível das vias aéreas superiores interrompe-se ou reduz-se o fluxo de ar.

Quando existe interrupção deste fluxo por um período de pelo menos 10 segundos, após o qual se seguem algumas respirações profundas, diz-se que se entra em apneia.

Quando o fluxo não é interrompido mas diminuído pelo menos durante 10 segundos diz-se que se entra em hipopneia.

Geralmente este colapso dá-se a nível da faringe.

Os músculos da faringe durante o sono sofrem uma diminuição do seu tónus elevando a resistência à passagem do ar.

Quer na primeira, quer na segunda situação existe uma baixa de oxigénio no sangue (hipoxemia) e um aumento de dióxido de carbono (hipercapnia).

Nos obesos existem zonas de acumulação de gordura no pescoço que funcionam como elementos de resistência ao fluxo de ar.

O aumento de volume das amígdalas, adenóides, úvula ou da língua também interferem.

O dormir de barriga para cima provoca o mesmo efeito devido à obstrução provocada pela língua e nos obesos a gordura visceral, nesta posição, reduz a amplitude respiratória pulmonar.

Há quem coloque uma bola de ténis nas costas para se impedir de adaptar tal posição.

O álcool aumenta a resistência nasal e da faringe, interferem com a dinâmica respiratória e devem portanto ser evitados.

Os medicamentos com efeitos sedativos interferem com o tónus dos músculos faríngeos.

Como o sono não é reparador, durante o dia, são frequentes os «ataques» de sono que estão na origem de alguns acidentes, as funções cognitivas tornam-se mais lentas e a memória menos activa.

O aparelho cardiovascular ressente-se. A hipertensão, a arritmia, a doença cardíaca isquémica a doença cardíaca congestiva estão-lhe associadas.

O estudo polissonográfico é fundamental pois só ele permite fazer a avaliação da apneia e a terapêutica a instituir. A utilização por via nasal da pressão positiva é altamente eficaz.

Em estudo publicado no Journal of Clinical Sleep Medicine, o Drº Richard J. Schwab concluiu que nos doentes que tinham sido hospitalizados por insuficiência cardíaca, arritmia ou enfarte do miocárdio e que sofrem de SAOS após tratamento com aparelho de pressão positiva não tiveram nenhum reinternamento 30 dias após terem tido alta, enquanto 20% dos pacientes que não foram tratados do SAOS voltaram ao hospital.

Não desvalorize o ressonar, o seu coração agradece.