Radicais livres de oxigénio? Saiba como neutralizá-los!

Bem Estar O envelhecimento prematuro está diretamente ligado ao estresse oxidativo, deixando a pele cheia de rugas para provar. Saiba como inibir a oxidação das células e rejuvenescer sua pele.
Você vai ler:

O stress oxidativo está associado ao envelhecimento prematuro e a doenças degenerativas. Na pele confirma-se pelas rugas.

Sempre que o assunto é prevenção das alterações provocadas pela passagem do tempo, seja na pele ou noutros órgãos, discute-se o stress oxidativo, os radicais livres de oxigénio, antioxidantes, sim ou não, quando e quais, gerando controvérsia...

Vamos responder-lhe de forma clara e simples às perguntas que habitualmente se levantam, para que compreenda e conheça o fundamental e saiba decidir por si!

O que são os radicais livres de oxigénio?

Em linguagem muito simples, são oxigénios alterados que ficam muito instáveis o que não lhes permite ficarem sozinhos. Sentem-se obrigados a se ligarem, de forma imediata, a qualquer estrutura que lhes ofereça estabilidade.

Este processo de ligação "oportunista” em termos científicos, tem o nome de oxidação.

Se quisermos abordam este conceito em linguagem mais técnica, diremos que radicais livres de oxigénio são átomos de oxigénio que perderam um dos electrões do seu orbital externo.

Em vez de quatro pares de electrões ficou com um electrão sem par, um radical livre, o que lhe confere a enorme instabilidade que o obriga, em fracções de segundo, a ligar-se a uma outra estrutura qualquer que lhe permita usar um electrão para se estabilizar.

Este acto de roubar, ou usar, um electrão de outro átomo ou de outra estrutura química chama-se oxidação.

Todos os seres vivos que usam oxigénio para produzirem a sua energia celular produzem, permanentemente, alguns radicais livres de oxigénio, correndo portanto o risco de oxidarem as suas estruturas celulares ao longo da sua vida.

Que fatores aumentam a produção de radicais livres de oxigénio?

Há factores genéticos e o avançar da idade, que não podemos mudar.
É essencial que conheça e compreenda os factores ambientais e de estilo de vida que aumentam a produção de radicais livres de oxigénio, sendo os mais importantes:

  • Tabaco
  • Tóxicos industriais e poluentes ambientais
  • Alguns corantes e conservantes da indústria agro-alimentar
  • Todo o tipo de radiação, com relevo para a exposição ao sol nas horas do meio do dia
  • Viagens de avião longas e frequentes
  • Exercício físico intenso

O que são antioxidantes?

São substâncias que podem dispensar, ou oferecer, um dos seus electrões a um radical livre de oxigénio, para o estabilizarem, sem perderem a sua própria estabilidade química.

Agem no sentido de combater os efeitos dos radicais livres.

Dito de outra forma, os antioxidantes podem perder um electrão sem ficarem oxidados.

Quais são os antioxidantes usados pelas nossas células?

São muitas as substâncias usadas como escudo protector antioxidante pelas nossas células, das quais podemos destacar como mais importantes:

  • Vitaminas: vit C e vit E
  • Minerais: selénio, zinco, magnésio, cobre e manganês
  • Enzimas celulares: catalase, SOD, e glutatião.
  • Pigmentos vegetais: carotenoides, bioflavonoides, protocianidinas, curcuminoides.

Como atuam estes antioxidantes?

Num organismo vivo complexo o processo de oxidação e antioxidação é muito dinâmico e envolve varias substâncias entre as quais os electrões se vão movimentando, com roubos e ofertas, como se de uma dança interminável se tratasse.

Os antioxidantes atuam em sinergia e quanto mais variedades entrarem no jogo melhor será o resultado.

Por outras palavras, um organismo vivo terá muito mais possibilidades de se proteger da oxidação se dispuser de pequenas quantidades de muitos antioxidantes diferentes do que se só puder contar com alguns antioxidantes, embora em quantidades elevadas.

É que alguns antioxidantes, quando em doses elevadas podem tornar-se oxidantes das estruturas celulares.

Alguns antioxidantes têm uma acção mais específica ou marcada em alguns tecidos.

Por exemplo, na pele é muito importante a acção antioxidante e protectora da elastina feita pelo pycnogenol, extraído da casca do pinheiro marítimo.

O que é o stress oxidativo?

Quando num organismo vivo a produção de radicais livres de oxigénio não é correctamente compensada pela sua capacidade antioxidante, diz-se que está em stress oxidativo.

Neste tipo de desequilíbrio o organismo está a oxidar as suas células e as suas estruturas orgânicas.

Depois dos 35 anos de idade o organismo humano produz cada vez mais radicais livres de oxigénio e tem uma dificuldade crescente em manter uma capacidade antioxidante suficiente e adequada às suas necessidades.

Quais as consequências da oxidação provocada pelo stress oxidativo?

As estruturas celulares, as células e os órgãos, quando se oxidam, ficam alterados na sua estrutura e incapazes de manter as suas normais funções.

Todo o organismo é atingido e a forma como funciona vai-se alterando. Deteriora-se.

De uma forma geral podemos dizer que os processos de envelhecimento se aceleram e se intensificam em todo o organismo e há maior predisposição para as doenças degenerativas.

Podemos observar esse processo no órgão mais exposto do nosso corpo – a pele.

Na pele começa por haver uma perda de elasticidade e depois o aparecimento precoce de rugas que pode tornar-se muito acentuado.

É um exemplo muito visível da acção do stress oxidativo.

O uso de antioxidantes é sempre benéfico?

O nosso organismo usa os radicais livres de oxigénio para atacar bactérias e vírus e para eliminar células iniciais de alguns tipos de cancro que são especialmente vulneráveis ao stress oxidativo.

Portanto o uso de antioxidantes deve fazer-se com moderação e não de forma contínua.

Há análises laboratoriais especiais através das quais se pode ter uma ideia bastante aproximada do stress oxidativo e da necessidade de antioxidantes.

Estratégias para evitar o stress oxidativo:

  • Adoptar um estilo de vida sem tabaco e com exercício físico moderado
  • Diminuir a exposição a poluentes e tóxicos ambientais e alimentares
  • Ingerir diariamente muitos legumes e frutas com cores intensas e variadas
  • Depois dos 35 anos tomar um suplemento antioxidante de forma intermitente, ou sempre que tiver exposição a factores de risco aumentados.