Quando o excesso de doçura provoca um ciclo vicioso muito amargo!

Bem Estar A insulina é muito importante para o nosso organismo, pois é ela que transporta a glicose para dentro das células. O excesso de açúcares pode prejudicar seu trabalho e trazer más consequências para o organismo.
Você vai ler:

A espécie humana conseguiu sobreviver aos longos períodos de fome e de escassez de alimentos pelos quais passou, ciclicamente ao longo de milénios, porque desenvolveu um sistema, muitíssimo eficaz, de absorver e armazenar a energia alimentar sempre que se deparava com comida.

Esse sistema, muitíssimo eficaz, de absorver e armazenar a energia alimentar envolve a insulina e o seu mecanismo de funcionamento.

Insulina – o transportador de açúcar para dentro das células

A insulina é o transportador da glicose do sangue para dentro das células.

A glicose é o açúcar proveniente da digestão dos alimentos. Este açúcar é o combustível usado pelas células para produzirem a energia necessária ao seu funcionamento.

Sem insulina, a glicose absorvida pelo sangue ao longo do tubo digestivo, fica no sangue e não tem forma de passar para as células, para onde deve ir e onde é necessária

Produção de insulina – um sistema ajustado às necessidades

A insulina é produzida pelo pâncreas, e lançada no sangue, a cada momento e de acordo com a quantidade de açúcar a ser transportado.

Conforme o tipo de alimentos que se está a comer e consoante esses alimentos se vão transformando em açúcar e este passa para o sangue, elevando o nível de açúcar no sangue, de forma rápida ou lenta, o pâncreas é avisado da quantidade de transportadores que é necessário ir produzindo em maior ou menor quantidade.

Quer dizer, se no processo digestivo, um alimento se transforma em açúcar de forma muito rápida e o açúcar passa em avalanches para o sangue, o pâncreas é imediatamente informado de que é necessário produzir uma grande quantidade de transportador, a insulina.

O pâncreas produz rapidamente muita insulina e lança-a no sangue.

Quando, pelo contrário, se está a fazer a digestão de alimentos que se transformam em açúcar de forma lenta, a quantidade de açúcar que passa para o sangue é pequena, o pâncreas é avisado que deve ir produzindo, e lançando no sangue, insulina em pequenas quantidades.

A insulina – a password indispensável

A insulina é capaz de transportar a glicose do sangue para as células porque as células abrem a sua porta de entrada do açúcar quando a insulina "lhes mostra o sinal de acesso”.

Se as células "não sentirem o sinal dado pela insulina” podem estar desesperadas a necessitar de combustível para o seu funcionamento, mas não abrem a sua porta à entrada de glicose.

Resposta à insulina - a delicada sensibilidade da resposta a estímulos

A resposta das células ao estímulo da insulina é de uma grande delicadeza. Uma pequena variação no nível de insulina provoca logo a reação das células para permitir a entrada de açúcar.

De forma análoga, no silêncio, qualquer som, mesmo baixinho, é facilmente ouvido.

Mas depois de estarmos no meio de uma grande barulheira, para que as células dos nossos ouvidos consigam perceber uma frase é necessário falar muito alto.

As células do ouvido depois de habituadas durante umas horas a estímulos muito intensos deixam de ser capazes de reagir, de perceber, os sons de baixa intensidade.

A insulinorresistência – o "já não ouvir a mensagem” da insulina!

Quando várias condições de vida levam a que o nível de insulina no sangue esteja permanentemente elevado, as células, habituadas a esses níveis elevados de insulina, precisam de quantidades cada vez maiores de insulina para reagirem.

É como se "ficassem surdas” para os sons mais baixos.

Apesar de haver uma grande quantidade de insulina no sangue, as células que já não são capazes de perceber e reagir a níveis a esses níveis elevados de insulina, não abrem a sua porta à entrada de açúcar.

A isto chama-se insulinorresistência ou resistência à insulina.

Insulinorresistência – um terrível ciclo vicioso

O fator mais determinante que leva à produção de elevados níveis de insulina é a ingestão frequente de açúcar ou de bebidas e alimentos doces.

A ingestão de açúcar ou de bebidas e alimentos doces faz elevar de forma rápida o nível de açúcar no sangue.

Os elevados níveis de açúcar no sangue incitam o pâncreas a produzir grandes quantidades de insulina.

Os níveis de insulina no sangue, frequentemente elevados, diminuem, progressivamente, a sensibilidade das células à insulina.

A falta de sensibilidade das células à insulina faz elevar o nível de açúcar no sangue porque não é transportado, de forma eficaz, para dentro das células (isto é a diabetes tipo II!).

A falta de açúcar dentro das células leva estas a um grande sofrimento por falta de combustível, o que é percebido pelo cérebro como um alarme.

Então, a par um grande cansaço a pessoa sente uma necessidade imperiosa de comer açúcar e doces.

… A ingestão de açúcar ou de bebidas e alimentos doces faz elevar … … … …

A eficácia da insulina e do seu mecanismo de ação, que nos permitiu sobreviver enquanto espécie a milénios de fome e escassez alimentar, é agora, perante a abundância de açúcar e doces, o feitiço a virar-se contra o feiticeiro!