Pequeno-almoço de rei, almoço de príncipe e jantar de pobre?

Bem Estar Durante o dia é importante nos alimentarmos bem (de forma remunerada claro) para que tenhamos energias o suficiente para realizarmos as atividades diárias.
Você vai ler:

Quantas vezes devemos comer durante o dia e qual deve ser a refeição mais completa?

Estas são questões que podemos pensar que têm respostas óbvias mas a Ciência ainda não nos permite chegar a consensos.

Comer de 3 em 3 horas

Ao contrário do que possa pensar não há quase nenhuma investigação que mostre que devemos comer de 3 em 3 horas (excepções feitas para a diabetes e outras doenças metabólicas).

Aliás existem investigações que mostram melhor controlo de peso e melhor controlo glicémico quando são feitas 3 em vez de múltiplas refeições.

As tendências mais recentes corroboram a teoria de que é mais saudável fazer menos refeições.

A nossa prática clínica mostra-nos que quem tem dificuldade em controlar o apetite consegue mantê-lo melhor sobre controlo quando faz refeições intermédias a meio da manhã e da tarde.

Mas, se tem um apetite normal e não tem vontade de fazer refeições intermédias não tem de o fazer.

Pensando no caso de fazer 3 refeições, quais seriam?

Saltar o pequeno-almoço faz mal à sua saúde e são muitos os estudos que mostram isso.

Portanto, deve tomar sempre o pequeno-almoço e para que depois consiga ingerir as calorias e nutrientes necessários para um dia, deve fazer mais 2 refeições.

Que para serem bem distribuídas, devem ser o almoço e jantar.

O mínimo, e em alguns casos, o certo, são então 3 refeições.

Mas será verdade que devemos fazer pequeno-almoço de rei, almoço de príncipe e jantar de pobre?

Agumas investigações parecem corroborar isso mesmo.

Por exemplo um estudo publicado na revista Obesity mostrou que mulheres obesas apresentaram ao longo de 12 semanas melhores resultados metabólicos.

Quando ingeriram mais calorias ao pequeno-almoço do que ao almoço e jantar (700 Kcal – 500 kcal – 200 kcal).

Quando comparadas com o grupo em que o jantar era a refeição mais calórica (200 Kcal – 500 Kcal – 700 Kcal).

Para o mesmo valor de calorias diárias, a perda de peso, diminuição do perímetro da cinta, valor de triglicerídeos, glicose em jejum e insulina foram melhores.

Além disso, o grupo do pequeno-almoço apresentou também melhor controlo de apetite durante o dia.

Pessoas que trabalham de noite têm tendência a ter mais fácil aumento de gordura, pior sensibilidade à insulina, alterações hormonais e até mais risco de doenças cardiovasculares.

Portanto, a evidência parece apontar para o facto de ser mais saudável uma maior ingestão de alimentos durante o dia e principalmente na primeira metade.

Um pequeno-almoço de cerca de 700 kcal seria por exemplo:

  • 90 gramas de muesli;
  • 200 g de Iogurte;
  • 50 gramas de fruta fresca (excepto banana) e algumas sementes;
  • 1 ovo cozido;
  • 1 banana média.

Este é só um exemplo, faça a experiência de comer mais ao pequeno-almoço do que ao almoço e jantar e venha dizer-nos como sem sente.

Faça escolhas saudáveis!

Mas as Ciências da Nutrição são uma área em constante desenvolvimento e por isso, juntamente com o seu nutricionista.

Veja o que resulta melhor consigo! Somos todos diferentes e não há uma fórmula milagrosa que sirva para todos, seja para perda de peso ou simplesmente para manutenção da saúde!