Pastas de oleaginosas e pastas de azeitona: alternativas saudáveis para barrar o pão

Alimentação Pastas de oleaginosas e de azeitonas, alternativas saudáveis para substituir os pães, conheça seus valores nutricionais e algumas dicas de como prepará-las.
Você vai ler:

Pastas de Oleaginosas

É inegável o valor nutricional das plantas oleaginosas no funcionamento do organismo humano.

A concentração de ácidos gordos e proteínas de alta qualidade destacam-se claramente das restantes plantas comestíveis.

A pasta resultante da amálgama obtida pela trituração dos seus frutos ou sementes tem enorme valor alimentar, não sendo de todo aconselhável a confecção a partir de oleaginosas torradas, já que a torrefação provoca alteração das gorduras e perda de valor nutricional.

Exemplos das que mais facilmente poderão ser encontradas no mercado:

Pasta de amêndoa

É considerada uma excelente opção devido ao seu elevado teor de gorduras monoinsaturadas, vitamina E e minerais (potássio, magnésio, ferro, cálcio e fósforo). É também uma excelente fonte de fibra e proteína.

Pasta de avelã

Considerada a melhor opção de ômega 3, em particular ácido alfa-linolênico, que como se sabe tem um papel importante na redução do LDL. É igualmente rica em vitamina E, proteínas, e contém mais ácido fólico que qualquer outra oleaginosa.

Pasta de sésamo

Também conhecida por tahini, é tradicionalmente usado no Médio Oriente na preparação do conhecido hummus.

Tem grande valor nutritivo graças à elevada percentagem de gorduras insaturadas (cerca de 50%), alto teor em ômega 6 (23% ), ômega 9 (25%), fibra e proteína.

É fonte abundante em cálcio e ferro, e muito eficaz na diminuição do envelhecimento celular pela presença de vitaminas B e E, sendo ainda uma excelente fonte de metionina, um aminoácido que desintoxica o fígado.

Pasta de amendoim

A mais famosa das pastas de oleaginosas. É muito energética e nutritiva, fornece ácidos gordos essenciais insaturados, resveratrol, proteína, vitaminas B3, E e ácido fólico, fibras e arginina.

Para além disso tem também altos níveis de um antioxidante chamado ácido p-cumárico.

Contudo, a manteiga de amendoim tem os seus contras. Para além de ser um alimento alérgeno para algumas pessoas, algumas marcas acrescentam-lhe açúcar, gorduras trans e sal.

Há que olhar para o rótulo e optar por marcas de manteiga com amendoim 100% biológico.

Pasta de caju

Muito rica em proteína e com baixo teor de gordura comparativamente a outras oleaginosas.

Também fornece minerais (magnésio, ferro, cobre, zinco, fósforo e sódio), vitamina K, Niacina e vitaminas do complexo B (exceto B12).

Pode encontrá-las à venda, ou experimentar fazer. É só triturar as oleaginosas e juntar um pouco de azeite. Para variar pode juntar um pouco de cacau em pó puro.

Pasta de Azeitona

Com propriedades semelhantes ao azeite, é rica em ácidos gordos monoinsaturados e possui diversos minerais e vitaminas na sua composição, nomeadamente cálcio, fósforo, potássio, magnésio, enxofre, cloro, ferro, cobre, magnésio, sódio e vitaminas como a Niacina, Riboflavina, Tiamina, vitamina B6, B12, E e carotenóides.

Além da gordura monoinsaturada, com todos os seus benefícios, a azeitona é rica em polifenóis (substâncias químicas vegetais que são potentes antioxidantes).

Não é complicado fazermos a nossa própria pasta de azeitona, desde que tenhamos paciência para a descaroçar.

Deste modo poupamos dinheiro e podemos controlar os ingredientes para chegar ao sabor desejado.

Não se deve exagerar o consumo devido ao seu alto teor de sódio, proveniente do método de conservação da azeitona que leva sal.

Nunca é demais lembrar a importância de analisar os rótulos e escolher pastas sem aditivos, garantindo ainda a presença de ingredientes provenientes de agricultura biológica.