Os leites não são todos iguais: Leite materno vs Leite de vaca

Alimentação Conheça as diferenças entre o leite materno e o leite de vaca, veja quais os benefícios de cada e entenda sua importância na alimentação do bebê.
Você vai ler:

O aleitamento materno é a forma mais natural e económica de alimentar os bebês. Pode ser mantido em exclusivo até aos 6 meses de idade.

Para a mamã tem imensas vantagens pois facilita a normalização do peso, auxilia o útero a regressar ao seu tamanho normal mais rapidamente, a perda de sangue depois do parto acaba mais cedo, há proteção contra o cancro da mama, ovário e prevenção da osteoporose.

O planeta agradece a amamentação já que é um ato ecológico que não desperdiça recursos naturais e não produz lixo ou poluição.

Mas a certa altura, ou o leite materno já não é suficiente ou não há condições para amamentar e é necessário pensar em alternativas.

Os leites artificiais são um grupo de produtos já bastante desenvolvido e onde existe muita variedade.

Os leites para lactentes tentam ser uma cópia do leite materno e por isso se pode dar o original ao seu filho, porquê dar logo uma cópia?

Amamente o tempo que puder pois é bom para a saúde do seu bebê.

Depois disso tem de recorrer às alternativas que a indústria disponibiliza.

É importante termos consciência de que ao darmos "leite de farmácia” ao nosso bebê, estamos a dar (na maioria das vezes) leite de vaca que foi alterado.

Alguns bebês reagem desde muito cedo a estes leites e pode ser necessário recorrer a leites especiais onde a proteína está tão digerida que o corpo não a reconhece como sendo de vaca.

Mas vejamos a comparação entre o leite materno maduro e o leite de vaca.

O leite materno tem a quantidade adequada de água, ácidos gordos, vitaminas, minerais, açúcares e proteínas.

É de fácil digestão e absorção, reforça a imunidade pelos anticorpos que passam de mãe para filho e potencia a saúde intestinal pelas bactérias que possui.

A única vitamina que deve ser suplementada é a vitamina D pois essa existe em quantidades vestigiais no leite materno.

O aleitamento materno diminui o risco de infecções e alergias (diarreia, infecções respiratórias, meningite, asma) e protege contra diversas doenças crônicas (obesidade, diabetes mellitus), além de melhorar o desenvolvimento mental do bebê, desenvolver os músculos da face diminuindo as dificuldades da fala e de promover uma ligação emocional com a mãe.

O leite de vaca possui mais proteínas e é maioritariamente caseína, o que o torna mais difícil de digerir.

Apesar de ter uma quantidade de gordura aproximada ao leite materno, a sua distribuição é muito diferente já que o leite de vaca possui mais gordura saturada e menos mono e poliinsaturada (ômega 6 e 3), essenciais ao desenvolvimento do cérebro do bebê.

O leite de vaca tem menos ferro, vitamina C e A e apresenta mais cálcio embora o do leite materno seja melhor absorvido.

O maior conteúdo de proteína, sódio, potássio e fósforo pode ser prejudicial ao rim do bebê e até potenciar desidratação. A introdução demasiado precoce deste alimento pode potenciar reações alérgicas. 

Por todas estas razões, a maior parte das recomendações referem que o leite de vaca em natureza não é um alimento adequado para bebês humanos até ao primeiro ano de idade.

Aliás, a OMS e a Sociedade Portuguesa de Pediatria recomendam que até próximo dos 3 anos de idade, se possível, não se utilize leite de vaca.

Assim, dentro das opções que a indústria disponibiliza deve escolher a que se afaste mais do leite de vaca.

Pondere com o pediatra a possibilidade de uso de leites hidrolisados protéicos ricos em aminoácidos livres semelhantes aos encontrados no leite materno.

Continuam a ser encontradas substâncias químicas indesejáveis no leite de vaca e por isso, quando as crianças iniciam a toma de leite, este deve ser biológico.