O que o álcool faz ao sono!

Bem Estar O álcool é um produto com inúmeros efeitos negativos para o nosso corpo, mas você ja imaginou o que ele pode fazer com o nosso sono? Venha entender mais aqui.
Você vai ler:

O sono realiza- se em ciclos e consiste em dois estados básicos de atividade cerebral: estado NREM  e  REM. Habitualmente, o ciclo inicia- se com o sono NREM , seguindo-se  um pequeno período de sono REM.  

Ao longo da noite, repetem-se ciclos de cerca de 90 minutos constituídos por sono NREM, alternado com sono REM.

Durante o sono REM o cérebro é mais ativo e é nesta fase que geralmente acontecem os sonhos.   É uma fase fundamental para a memória, concentração e capacidade motora.  É essencial  para um sono reparador.

O álcool não só diminui o tempo que um indivíduo demora a adormecer, como  aumenta o sono profundo e reduz a fase REM.

Vários estudos indicam que aumentar a fase NREM , onde acontece por exemplo  a regeneração dos tecidos e o fortalecimento do sistema imunitário, pode levar a problemas de sono.

Como o sonambulismo e à insónia, ou a problemas respiratórios , nomeadamente à apneia de sono (há sempre a considerar outros fatores associados como por exemplo a obesidade).

Em indivíduos alcoólicos, o etanol leva a um aumento de tempo necessário para adormecer , despertares frequentes, decréscimo da qualidade do sono e a fadiga durante o dia.

A retirada rápida de consumos é acompanhada de insónias profundas e a fragmentação do sono, assim como a alucinações (períodos mais longos de sono REM).

Os alcoólicos abstinentes tendem a dormir pior, com períodos inferiores de sono NREM e aumento da vigília noturna.

Ou seja:

  • o consumo agudo e/ou crónico de álcool prejudica o sono, devendo ser considerado um fator desencadeante ou contribuinte da insónia;
  • se sofre de insónias  não deve consumir álcool para facilitar o sono, pois os  seus benefícios são limitados e a tolerância ocorre rapidamente;
  • o álcool aumenta a sonolência durante o dia, aumentando o risco de acidentes;
  • o álcool agrava doenças relacionadas com o sono, principalmente as respiratórias, prejudicando ainda mais a quantidade e a qualidade do sono

Como afeta o estado de vigília, o álcool interfere significativamente no sono, alterando diversos processos biológicos que ocorrem durante o descanso.

Em indivíduos saudáveis, o consumo agudo e elevado de álcool perturba o sono; em pacientes com insónia, doses moderadas podem ser aparentemente benéficas.

A tolerância aos efeitos sedativos do álcool pode conduzir a um aumento progressivo do consumo entre os insones.

As relações entre sono e álcool demonstram  ser bidirecionais: da mesma forma que o álcool  interfere na quantidade e na continuidade do sono, os distúrbios do sono predispõem o indivíduo a um maior consumo de álcool.