O frio é ou não psicológico?

Bem Estar O sentimento de frio, é psicológico ou não? Como podemos descobrir? Saiba mais sobre o frio aqui.
Você vai ler:

O frio não é psicológico

O frio não é psicológico pois sabemos que a temperatura externa afeta o organismo que reage ao ambiente de uma determinada forma. Por exemplo, em temperaturas baixas o corpo arrepia-se, em temperaturas altas o corpo sua para equilibrar a temperatura.

Neste sentido, o frio não é psicológico pois há algo objetivo que desencadeia em qualquer corpo humano respostas específicas e objetivas, de acordo com a temperatura.

O frio é psicológico

Contudo, também existem fatores subjetivos e culturais no modo como o ambiente é interpretado.

Vamos imaginar que em Portugal, durante o outono, está muito frio e todos nós andamos bastante agasalhados.

Na mesma situação podemos observar um norueguês de camisola de manga curta, porque para ele a temperatura atual é semelhante à temperatura de verão na Noruega.

Neste caso, estamos perante o fator cultural. Como nasceu num país mais frio do que o nosso, já está habituado ao frio. Temperaturas do inverno são para ele, temperaturas do verão para nós. Isto trata-se da sua vivência subjetiva de frio e consequentemente calor.

O contrário também se passa, se formos para a Noruega no Verão, provavelmente iremos agasalhar-nos mais do que é o normal para eles Noruegueses.

Efeito do frio nas nossas capacidades cognitivas

Se o frio for intenso, podemos admitir que nos distrai, ou seja, nos desvia a nossa atenção da tarefa que estamos a fazer.

Se o frio for moderado, pode deixar-nos mais acordados e em maior estado de vigília. Estas condições permitem um melhor desempenho do nosso cérebro.

Luminosidade

O inverno tem pouca luz e dias muito curtos, sendo este um fator que aumenta a frequência de sintomas depressivos nessa estação. A depressão diminui a eficiência do cérebro.

Há também evidências sobre as concentrações de hormonas na tiróide e a sua influência no funcionamento do cérebro. Estas estão reduzidas em invernos rigorosos, ou seja, diminui a eficiência cerebral.

Se nos esforçamos conseguimos alterar a forma como sentimos o frio, seja a partir da nossa vivência psicológica, influenciada pela cultura, ou por mudarmos a nossa atenção para outro foco, como por exemplo, distrair-nos com música, a beber um chá, ou até mesmo a imaginar uma bela praia cheia de sol.

A acupunctura também pode dar uma ajuda.

Contudo, só para prevenir, agasalhe-se bem!