Legumes e Frutas: Próximos ou Distantes?

Sustentabilidade Sempre que possível consuma produtos da época e biológicos, além de serem mais saborosos são mais saudáveis.
Você vai ler:

Devemos comer fruta da época e local sempre que possível.

Mas depois é-nos também pedido que variemos o mais possível ou somos bombardeados com informações quase milagrosas de frutas e legumes exóticos.

Que não estão ao nosso dispor ao virar da esquina.

A pitaya (saiba mais) é um desses exemplos.

O que fazer então? Fugir do convencional e escolher as frutas e legumes mais estranhos possível?

Não, o que precisa está mesmo ao virar da esquina, mas claro que há sempre lugar para legumes e frutas diferentes.

E nem tudo o que é local é bom!

Assim, reflicta sobre o assunto e decida caso a caso.

No supermercado vai encontrar de tudo quase todo o ano e não custa saber quais são os legumes que naturalmente crescem naquela altura do ano, veja por exemplo aqui.

A Natureza oferece-nos o que precisamos em cada estação do ano.

Ser um produto local não quer dizer que seja sempre melhor, já que muitos são os factores que condicionam o valor nutricional, por exemplo:

Tipo de plantação, maturidade na altura da colheita, manuseamento pós-colheita, processamento, distância transportada.

Mas à partida, como os produtos locais vão viajar menos, causam menos danos no ambiente e nutricionalmente.

Serão mais ricos, já que não têm de percorrer grandes distâncias e estarem sujeitos a mais hipóteses de perda de nutrientes.

O conteúdo de vitamina C, por exemplo, é maior em pimentos vermelhos e tomates colhidos quase maduros do que naqueles que tem de ser colhidos mais cedo para poderem viajar até mais longe.

O facto de um produto ser local não quer dizer que tenha menos pesticidas que um produto que vem de longe.

Por isso sempre que possa, escolha produtos locais e biológicos.

Ser um produto que vem de longe não lhe retira de imediato o interesse.

Frutos como a pitaya ou até as famosas bagas goji vêm necessariamente de localizações distantes.

Portanto se não há produção, a escolha recai sobre o que vem de longe.

Mas atenção, não é porque uma fruta ou legume é apelidado de "super alimento” que tem de deixar de se preocupar com a forma como é cultivado.

Prefira sempre produtos biológicos.

Por exemplo no caso das bagas goji várias amostras apresentaram valores indesejados de pesticidas e metais pesados.

Os abacates (saiba mais) são outro exemplo.

A sua gordura é monoinsaturada e muito saudável.

Mas não é em todos os países que há cultivo de abacate e não é por isso que devemos deixar de o consumir.

Cada vez mais o consumidor se questiona sobre a forma como os alimentos são tratados até chegar a sua casa e por isso sugerimos que tenha uma atitude pró-activa.

Organize visitas a quintas perto da sua casa onde possa ver como são cultivados e tratados os frutos e legumes que vai comer.

Envie e-mails a fazer perguntas, fale com outras pessoas que também se preocupam.

A forma como os produtos são cultivados tem de mudar a nível global e está nas nossas mãos fazer pressão para que isso aconteça.

Até lá informe-se sobre produtos da época e biológicos connosco.