Gluteomorfinas: quando a digestão do glúten é incompleta

Bem Estar Venha descobrir o que acontece quando o glúten não é totalmente digerido pelo nosso organismo.
Você vai ler:

O glúten é um conjunto de proteínas presente em alguns cereais. Para que estas proteínas nos possam alimentar, têm de ser corretamente digeridas para poderem ser absorvidas.

Por diferentes razões, esta digestão pode não ser a mais correta, e isso leva à formação de um tipo de compostos chamados gluteomorfinas.

Gluteomorfinas: o que são?

As gluteomorfinas, tal como o nome indica, são derivados do glúten, e pelo que o nome sugere, têm um efeito idêntico à morfina. A morfina é considerada um composto opióide.  

Mas o que é um composto opióide?

O nosso organismo produz, naturalmente, compostos opióides. Os compostos opióides mais conhecidos são as endorfinas – substâncias que o nosso organismo produz e que nos dão a sensação de bem-estar, euforia e prazer.

As endorfinas são as responsáveis por nos sentirmos felizes depois do exercício físico, e é também a estas que devemos agradecer o prazer do orgasmo.

Descobriu-se a presença destes compostos no cérebro, devido aos efeitos obtidos através do consumo de ópio. Entretanto descobriu-se os efeitos prejudiciais do consumo desta droga, mas o nome "opióide” ficou.

Igualmente, descobriu-se (aqui, aqui e aqui) que alguns dos alimentos que consumimos também são capazes de levar à formação de compostos opióides, nomeadamente o trigo e a cevada.

Como é que se produzem?

A digestão dos cereais tem diferentes fases, e tem como objetivo "partir” os cereais em pedaços muito pequenos, capazes de atravessar a barreira intestinal e chegar às nossas células.  

O amido dos cereais é "partido” em moléculas de glicose (açúcar) e as proteínas dos cereais (como o glúten) são "partidas” em aminoácidos.

Uma proteína é algo parecido a um colar de missangas, muito comprido, e que depois se enrola entre si, criando diferentes formas.

Cada missanga é chamada de aminoácido, e tal como existem missangas de diferentes cores e formas, também existem diferentes aminoácidos, cada um com a sua função e características.

Esta digestão é feita por enzimas digestivas, autênticas tesouras que vão cortando as proteínas em pedaços cada vez mais pequenos, com o objetivo de as cortar na sua unidade mais básica: os aminoácidos.

As proteínas são estruturas únicas, cuja sequência de aminoácidos difere de proteína para proteína, à semelhança de um colar de missangas onde a sequência de cores também varia.

Por diferentes razões, as nossas enzimas podem não completar o trabalho na totalidade, e em vez de conseguirem digerir as proteínas em aminoácidos, deixam sequências de 5 – 6 aminoácidos juntos.

Esta sequência de aminoácidos é considerada um composto opióide, pois é capaz de encaixar nos recetores dos opióides que temos no nosso organismo.

Qual o efeito das gluteomorfinas?

Algumas atuam apenas a nível intestinal, causando sintomas parecidos aos de outros compostos opióides, sendo a obstipação ou prisão de ventre o mais comum.

Quando a parede intestinal está demasiado permeável, as gluteomorfinas podem ser absorvidas para o organismo, podendo exercer os seus efeitos noutras zonas do organismo, nomeadamente ao nível cerebral.

Como posso saber se estou a produzir gluteomorfinas?

A forma mais fácil é retirar o glúten durante  algumas semanas da sua alimentação e perceber se sente alguma diferença, nomeadamente a nível intestinal.