Evolução na alimentação: foi para melhor ou pior?

Alimentação Nossa alimentação com o passar dos anos foi melhorando ou piorando? Entenda tudo sobre a evolução na alimentação aqui.
Você vai ler:

Ao longo dos tempos, a nossa alimentação foi evoluindo. Mas terá sido mesmo uma evolução? Será que hoje estamos melhor que há milhares de anos?

Esta é uma reflexão que nos pode levar a diversas discussões e muitos são os trabalhos escritos sobre o assunto.

Em termos de evolução da inteligência é unânime que estamos melhores, mas e em termos de alimentação?

O Homem passou por diversas fases em que houve certas alterações que acabaram por condicionar a sua própria evolução física.

Por exemplo, há mais de 2 milhões de anos consumíamos praticamente só alimentos de origem vegetal. Quando começamos a comer maiores quantidades de carne os cérebros tornaram-se maiores e os intestinos menores (Homo erectus). Havia mais energia disponível para que o corpo se desenvolvesse.
 
O Homo Erectus foi também o primeiro a lidar com o fogo e desde aí a nossa alimentação modificou mais uma vez a nossa forma de digerir e assimilar os alimentos.

Começamos a gastar menos energia para fazer a digestão e passamos a conseguir absorver mais.

O nosso corpo não está por isso, hoje, preparado para uma dieta 100% crua – embora seja possível fazê-lo.

Passamos por períodos de caça, pesca e recolecção em que comíamos o que a Natureza nos dava. A alimentação era sazonal, variada e natural.

A agricultura que foi uma grande inovação – permitiu ao Homem cultivar os seus cereais, criar os seus animais e usar os lacticínios. Nesta altura a alimentação ficou menos variada e começaram a surgir doenças que até então não eram frequentes. Até a estatura média do Homem diminuiu.
 
A entrada dos cereais e posteriormente a revolução industrial são dois marcos na história que fazem diferença na saúde, pois a prevalência de certas doenças foi alterada.

Obesidade, hipertensão, doenças cardiovasculares, dislipidemia, osteoporose são exemplos de doenças que surgem ao mesmo tempo que os hábitos alimentares foram piorando.

A alimentação com frutos, legumes, oleaginosas (nozes, amêndoas, avelãs,…), carne e peixe foi substituída por uma alimentação pobre em fibra, rica em açúcar, farinha refinada e todos os seus derivados (pão, bolachas…).

Agora, é possível alimentarmo-nos sem um único alimento natural, tal é a diversidade de produtos industrializados.

A alimentação é muito baseada em cereais refinados, lacticínios e carne.

Infelizmente, se tentarmos imaginar como será a vida em 2050, podemos facilmente concluir que não será possível alimentar a população mundial à base de leite, cereais e carne – as repercussões para o planeta podem ser catastróficas.
 
Uma alimentação com mais oleaginosas, vegetais, frutas e cereais integrais/carne/peixe com moderação – é muito mais amiga do planeta.

Muitos são os exemplos em que se mostra que a passagem de uma alimentação ocidental para uma alimentação mais natural e com mais alimentos de origem vegetal melhora a saúde.

Tudo é bom em doses moderadas e no que toca à alimentação, a evolução trouxe alimentos prontos a usar, que se conservam muito tempo, que estão (supostamente) desenhados para suprir as nossas necessidades … mas que estão cheios de aditivos, açúcar, cereais refinados, gorduras de baixa qualidade … mas que sabem bem!

Reflicta sobre a sua alimentação! Consome alimentos naturais? Sem aditivos? Sem pesticidas? Consegue usar o mínimo de açúcar possível? Usa gorduras de qualidade?