Está a tomar bifosfonatos – medicamentos para a osteoporose?

Bem Estar Entenda porque o uso excessivo de bifosfonatos pode ocasionar em danos à saúde.
Você vai ler:

Bifosfonatos é o nome geral de uma classe de medicamentos usados na prevenção e no tratamento da osteoporose.

Os bifosfonatos englobam os seguintes fármacos: alendronato, ácido clodrônico, ibandronato, risedronato, pamidronato, ranelato e ácido zoledrônico.

Estes nomes genéricos correspondem, entre outros, aos medicamentos cujos nomes comerciais são:
Fosamax, Fosavance, Adrovance, Protelos, Adronat, Osseor, Sivatca, Bonviva e Zometa.

Os bifosfonatos são fármacos cujo uso está associado a riscos graves pouco divulgados.

Se está a tomar bifosfonatos, este artigo é para si.

Riscos ósseos e músculo-esqueléticos pelo uso de bifosfonatos 

Dores articulares e músculo-esqueléticas

Em 2008 o FDA lança o primeiro alerta para o risco de dores ósseas, articulares e músculo-esqueléticas severas, ou mesmo incapacitantes, nos doentes medicados com bifosfonatos, aconselhando, nestes casos, a interrupção do tratamento.

Fraturas atípicas do fémur

O uso prolongado de bifosfonatos por mais de três anos, está associado à ocorrência de fraturas atípicas do fémur e da bacia. Estas fraturas atípicas aparecem sem serem provocadas por nenhum trauma e são de difícil recuperação.

O aumento verificado, depois de 2008, na ocorrência de fraturas atípicas do fêmur, em pessoas sob terapêutica com bifosfonatos, leva a EMA – European Medicines Agency – a elaborar, em 2011, um documento de alerta para os riscos de fraturas atípicas do fémur em doentes tratados com bifosfonatos. 

Os médicos prescritores são incentivados a estarem especialmente atentos a queixas de dores do fêmur ou da bacia.

Os doentes devem ser instruídos no sentido de alertar o médico ou o farmacêutico se sentir qualquer desconforto, fraqueza ou dores do fêmur ou da bacia, tendo em vista a imediata suspensão da toma de bifosfonatos.

Osteonecrose dos maxilares

Em 2009, a EMA dá voz ao primeiro alerta para risco de osteonecrose dos maxilares nos doentes medicados com bifosfonatos.

Posteriormente outras agências reguladoras do uso de medicamentos (UK e Brasil, p.ex.) se sucederam nos avisos para o risco de osteonecrose dos maxilares.

Para diminuir o risco de osteonecrose dos maxilares os médicos prescritores são avisados de que os doentes devem fazer uma revisão da sua saúde oral e dentária antes do começo da toma de bifosfonatos.

Os médicos dentistas são avisados dos riscos acrescidos nos doentes medicados com bifosfonatos a quem façam tratamentos dentários cirúrgicos invasivos.

Os doentes tratados com bifosfonatos devem ser instruídos no sentido de avisarem o seu médico dentista se sentir qualquer dor, desconforto ou inchaço nos seus maxilares. 

Conjunto dos riscos associados ao tratamento com bifosfonatos

Os riscos associados ao tratamento com bisfosfonatos estão claramente expressos num documento elaborado pela Ordem dos Farmacêuticos de Portugal em 2012: 

Intolerância gastrointestinal manifestada por dor abdominal, náusea, vómitos, diarreia e obstipação esofagite, disfagia e úlceras esofágicas gástricas

  • Disfunção renal;
  • Cancro do esófago;
  • Osteonecrose dos maxilares;
  • Dor óssea, articular ou muscular;
  • Transtornos inflamatórios oculares;
  • Fibrilhação auricular;
  • Fraturas atípicas.

Perante o aumento do número de doentes medicados com bifosfonatos que apresentam consequências graves, em 2013, a EMA publica mais um documento sobre os riscos da terapêutica com bifosfonatos e a necessidade de estudar de forma mais profunda os custos/benefícios deste tratamento.

Previna a osteoporose sem riscos e de forma eficaz

  • Apanhe sol e mantenha, todo o ano, um nível adequado de vitamina D;
  • Faça atividade física diariamente os exercícios que obrigam os músculos e tendões a fazerem força sobre os ossos são os mais eficazes a promoverem a calcificação do osso;
  • Mantenha uma alimentação adequada abundante em alimentos vegetais.