Esporão do calcâneo

Bem Estar O esporão de calcâneo é uma região do calcanhar que corresponde ao osso calcâneo, saiba tudo sobre ele aqui.
Você vai ler:

A região do calcanhar corresponde ao osso calcâneo, ao qual se fixam na parte de trás o tendão de Aquiles e na parte inferior a aponevrose plantar. Nesta zona existem umas bolsas - bolsas serosas - e partes moles que revestem o osso e que ajudam a amortecer os impactos. 

São frequentes as talalgias (dores nos calcanhares) e dentro destas as que surgem na parte inferior e anterior do calcanhar e que correspondem com frequência ao esporão do calcâneo.

Este "bico de papagaio” surge por constrangimento mecânico na zona em que se insere uma estrutura muito importante na distribuição do peso a nível do pé e no movimento de propulsão da marcha que é a aponevrose plantar.

Neste ponto, são frequentes os micro-traumatismos que conduzem à inflamação da zona e à densificação óssea.

A dor, que é muitas vezes referida como sensação de ter uma pedra no sapato, aparece de forma progressiva, surge ao levantar ou ao por em pé após algum tempo sentado, atenua-se depois de alguns minutos de marcha e agrava-se na marcha prolongada.

Esta dor é normalmente unilateral e a sua causa não é o esporão que, tal como a dor, é a consequência das perturbações das enteses da região. (A entese é a união do tendão, capsula articular, ligamento ou fáscia ao osso).

Para evitar esta perturbação deve evitar o excesso de peso.

Se tiver alterações da arquitectura do pé, tais como pé plano, cavo ou valgo, deve consultar um podólogo para moldar palmilhas de modo a distribuir o peso do corpo de forma mais equilibrada e ter uma funcionalidade mais harmoniosa.

Se tiver retracção do tendão de Aquiles e da fáscia plantar insistir nos exercícios de alongamento executados de forma lenta e progressiva mas persistente .

Se pratica actividades como corrida, salto, etc., investir em boas sapatilhas, substitui-las a qualquer sinal de desgaste, nunca esquecer o aquecimento e preferir pisos menos duros.

Atenção aos saltos altos e aos sapatos com sola e saltos duros. Os contrafortes dos sapatos não devem ser moles. Se trabalha em pé, a qualidade dos sapatos é fundamental.

Escolha sapatos com um salto com altura entre 2 a 2,5 cm de altura, com sola espessa mas não excessivamente flexíveis.

Por vezes os sapatos de trabalho são excessivamente rígidos, para minimizar, pode adquirir palmilhas que devem comportar uma almofada amortecedora na zona do calcanhar em espuma depressível e com espessura proporcional ao peso (entre 10 a 25mm) 

Com o envelhecimento, a zona almofadada da planta do pé torna-se mais fina e não amortece tanto as pressões que o pé sofre. Evite em casa os chinelos rasos e duros.

Mantenha uma boa circulação dos membros inferiores.