Detox através da alimentação

Bem Estar Entenda como a alimentação correta tem papel fundamental na desintoxicação do organismo, veja alguns alimentos que auxiliam nesse processo.
Você vai ler:

Desintoxicar significa remover substâncias tóxicas do organismo

Temos a capacidade de acumular tóxicos de diversas formas ao longo do tempo, acabando por surgir mal-estar, desequilíbrios e até doenças.

Se o seu objetivo é emagrecer talvez esta não seja a melhor opção, mas se pretende melhorar os seus níveis de energia e ter atitude preventiva quanto à sua saúde, esta pode ser uma boa ajuda.

A alimentação é um dos veículos de intoxicação diária e por isso mesmo é uma das formas mais usadas para desintoxicar. Já Hipócrates falava de desintoxicação e desde então este tema sempre esteve em voga.

Alimentação Biológica - evitar os tóxicos

Se pretende fazer um "detox” básico pode começar por simplesmente eliminar tóxicos da sua alimentação. Optar por alimentação biológica é uma dessas formas, além de passar a ter ou intensificar cuidados com muitos outros tóxicos que o podem estar a prejudicar.

Mais nutrientes e menos tóxicos potenciam a nossa capacidade de digestão e eliminação. Mesmo que em alguns casos o valor nutricional de um produto "bio” e "não bio” possa ser semelhante, o facto de não ter determinados tóxicos já é fator de preferência.

Alimentação vegetariana – nutrientes para facilitar a desintoxicação

Todas as dietas detox dão indicações para que se faça alimentação vegetariana, nem que seja temporariamente.

Esta alimentação vai fornecer muitas vitaminas, minerais, fitoquímicos, fibras, água, que vão permitir ao organismo exercer a sua natural função de desintoxicação de forma eficiente.

Os alimentos de origem animal, mais difíceis de digerir e geralmente fonte de muitos tóxicos, ficam obviamente excluídos.

Permite-se o uso de: frutas e legumes, oleaginosas (nozes, amêndoas, avelãs, pinhões, noz do brasil) e sementes; soja e seus derivados pouco processados; cereais integrais (arroz, millet, quinoa, amaranto, trigo sarraceno, cevada, centeio, aveia,…) e produtos pouco processados com esses cereais (pão por exemplo), batata, batata-doce; azeite, óleo de coco, óleo de sésamo; muita água, sumos naturais e chás de ervas sem açúcar.

Jejum terapêutico

O jejum terapêutico é usado desde sempre nas medicinas orientais, por exemplo na Índia e no Japão.

Consiste numa retirada progressiva dos alimentos sólidos, proteínas e gorduras até se atingir uma alimentação apenas com líquidos de origem vegetal. Após este período volta-se à alimentação inicial.

Na fase progressiva, o primeiro passo é a eliminação de alimentos de origem animal (laticínios, carne, peixe, ovos) e de seguida a consistência dos alimentos deve ser cada vez menos sólida como forma de facilitar o processo digestivo.

Vai-se diminuindo a ingestão de proteínas e gorduras (soja, leguminosas, manteiga, azeite e outros óleos).

O auge do jejum terapêutico são no máximo 3 dias, apenas com água e sumos de fruta num total de 4 a 5 litros por dia para assegurar aporte calórico.

Devem beber-se sumos de 2 em 2 horas, alternando com água. É preferível fazer sumos e não smoothies e normalmente estes regimes alimentares são incentivados entre março e setembro.

Após estes 3 dias, segue-se o caminho inverso, começando a tornar mais sólida a consistência dos alimentos (passar primeiro por fruta cozinhada por exemplo), depois introduzir as proteínas e gorduras até que esteja a fazer a sua alimentação normal.

Portanto pode fazer um máximo de 7 dias: 2 dias de transição, 3 dias de jejum com sucos e mais 2 dias de transição para a alimentação normal.

Para uma desintoxicação mais leve aproveitando por exemplo um fim-de-semana pode fazer 1 dia de transição + 1 dia de jejum com sucos + 1 dia de transição para alimentação normal.

Só deve ponderar a hipótese de fazer jejum terapêutico se não tiver nenhum tipo de doença crónica.

Jejuns com mais de 3 dias não suscitam consenso entre os profissionais de saúde e podem até ser prejudiciais por poderem levar a libertação de tóxicos na corrente sanguínea ou se por exemplo o seu sistema digestivo não estiver a funcionar bem.