Conhece a pimenta rosa?

Alimentação Conheça mais sobre a pimenta rosa: Veja algumas curiosidades sobre essas especiária da culinária mundial.
Você vai ler:

Existem muitos tipos de pimenta, mas a pimenta preta e pimenta branca são mundialmente conhecidas. Sabia que existe uma pimenta rosa?

A sua cor suscita muito interesse e curiosidade quando alguém a descobre pela primeira vez. A vontade de experimentar é imediata!

Mas na verdade, a pimenta rosa não é pimenta.

Estes "grãos” que podemos encontrar à venda, são bagas secas da planta Schinus terebinthifolius (mais conhecido como Aroeira).

A sua parecença com o grão da pimenta e o seu sabor apimentado são os responsáveis pelo seu nome. Também é chamada de Pimenta de Bourbon ou Pimenta Brasileira.

Utilização

A utilização desta baga é diversa desde perfumes (por casa dos seus óleo essenciais) até diversos produtos alimentares como vinagres, cervejas, mostardas e misturas com pimenta branca e preta para tempero.

Alguns Chefes de cozinha gostam de a utilização pelo seu sabor doce mas ligeiramente picante e outros referem que apenas a usam pela cor que confere aos pratos. Muito famosa na culinária francesa e gourmet.

História controversa

A importação de pimenta rosa já foi proibida nos Estados Unidos em 1982 por alegadamente se achar que poderia causar sintomas como dores de cabeça, inchaços, dificuldades respiratórias, problemas de estômago e diarreia.

Mas pouco tempo depois a proibição foi levantada e é hoje legal por se achar que as espécies agora plantadas nada têm a ver com as espécies que outrora eram tóxicas.

Este arbusto crescia em florestas e funcionava como controlo de pragas natural já que os pássaros que comiam as bagas ficavam doentes.

Hoje sabe-se que alguns grãos de pimenta rosa não causam reacção a não ser em pessoas com alergia a oleaginosas (noz, amêndoa, avelã, cajú…) já que este arbusto é da família dos cajus.

Se tem alergia a oleaginosas não use pimenta rosa.

No Brasil por exemplo existe um projecto de produção sustentável de pimenta rosa.

Efeitos benéficos na saúde não são fundamentados pela literatura científica e pelo que existe escrito percebe-se bem que não deve ser usada em grandes quantidades.

Assim, se gostar do seu sabor use-a de vez em quando em molhos ou directamente para temperar, mas não a use diariamente e muito menos em grandes quantidades.

Para fazer pratos com sabor diferente e coloridos de vez em quando, é uma boa opção.