Fitoterapia Daniela Seabra

Ashwagandha – a planta que dá energia e o ajuda a dormir melhor

À primeira vista parece estranho que uma planta que nos dê energia também seja capaz de nos ajudar a dormir melhor, mas é mesmo isso que a Ashwagandha é capaz de fazer. Esta planta, originária das montanhas altas dos Himbalaias, já é usada há milhares de anos na Medicina Ayurvedica, devido aos seus inúmeros efeitos benéficos para a saúde.

O seu nome pode ser traduzido como "cheira a cavalo”, devido ao seu cheiro característico. Também há quem diga que este nome significava que nos podia "tornar fortes como um cavalo”, dadas as suas capacidades revigorantes e de aumento dos níveis de energia, sendo também conhecida como Ginseng Indiano.

A ashwagandha ou Withania somnifera é uma planta que pertence à familia das solenáceas, tal como o tomate, e tal como este também tem frutos vermelhos e flores amarelas – mas são as suas raízes que são usadas para fins medicinais.


Para que serve a Ashwaghandha?

É considerada uma planta adaptógena, o que significa que é capaz de aumentar a nossa capacidade de adaptação e resistência a condições extremas de frio, de stress, de exigência física ou psicológica. Um dos seus efeitos é a otimização do funcionamento das nossas glândulas suprarenais, melhorando a nossa resposta ao stress.

Esta planta é capaz de estimular o sistema imune, aumentar os nossos níveis de energia, e ao mesmo tempo diminuir uma produção excessiva de cortisol. Visto que níveis excessivos de cortisol são a causa mais comum das insónias associadas ao stress, esta planta é muitas vezes usada no tratamento deste tipo de insónias. Além disso, a ashwaghanda foi ainda capaz de relevar efeitos ansiolíticos semelhantes ao lorazepan (um medicamento usado para tratar a ansiedade), tendo ainda revelado efeitos anti-depressivos.

Também tem vindo a ser considerada como uma planta capaz de aumentar a nossa capacidade de memória e capacidade cognitiva devido às suas capacidades antioxidantes e à sua capacidade de aumentar a atividade do recetor da acetilcolina. Tem ainda revelado resultados muito interessantes na doença de Alzheimer.  



Como se toma?


Pode ser tomado sob a forma de infusão, e para isso a raíz deve ser fervida durante 15 minutos. O seu sabor mais amargo pode ser disfarçado usando outras ervas ou frutas na elaboração desta infusão. É vendido ainda sob a forma de pó onde pode ser adicionado a bebidas – de preferência de sabor mais doce para disfarçar o seu sabor mais amargo. O maior problema é que desta forma é extramente difícil quantificar com exatidão a quantidade de princípio ativo que está a ingerir.

É possível também tomar ashwagandha sob a forma de comprimido – não só é uma forma de ultrapassar o seu sabor, como permite a quantificação dos princípios ativos que estamos a ingerir. O seu efeito é lento, e por isso deve toma-lo diariamente durante algumas semanas para poder observar a plenitude dos seus efeitos benéficos.
Quando tomada de manhã, a ashwagandha aumenta os seus níveis energéticos, e quando tomada à noite ajuda-o a dormir melhor.


Cuidados a ter no seu uso:

Apesar de ser considerada relativamente segura, há determinados cuidados a ter aquando da toma de ashwaghandha. Dado que esta planta tem um efeito sedativo no sistema nervoso central, aconselha-se precaução a todos os que tomam medicamentos para o mesmo efeito, nomeadamente os barbitúricos, e deve-se evitar o consumo de bebidas alcoólicas.
Quando usado em doses altas, o ashwagandha pode induzir abortos, daí que esteja desaconselhado a mulheres grávidas.
Dado o seu efeito de estimulação do sistema imunitário, o seu uso em doentes que tomam imunossupressores deve ser feito com bastante precaução, ou mesmo desaconselhado.

EsmeraldAzul – para uma vida saudável, consciente e sustentável.


0 comentários

Entrar

Deixe o seu comentário

em resposta a