Ascensão e queda dos alimentos geneticamente modificados

Alimentação Descubra os motivos da ascensão dos alimentos geneticamente modificados e entenda todo o seu processo.
Você vai ler:

As culturas agrícolas geneticamente modificados (OGM) e os respetivos produtos alimentares, têm sido apresentadas pelas empresas que as criaram como uma solução para melhorar a agricultura (menos pesticidas).

Aumentar a produção alimentar do Mundo (maior produtividade) e ajudar a resolver o problema da fome (mais alimentos nos países mais pobres).

A realidade é bem diferente e em resumo o que aconteceu foi o seguinte:

  • A quantidade de herbicidas aplicados aumentou muitíssimo, em especial o glifosato (Roundup da Monsanto), ao qual as plantas transgénicas passaram a resistir e por isso passaram a ser tratadas quando antes não o eram;
  • A aplicação repetida do mesmo herbicida levou a que muitas ervas tenham ganho resistência, obrigando ao arranque manual das mesmas;
  • A aplicação de inseticida de síntese química baixou mas as plantas geneticamente modificadas com o gene do Bacillus thuringiensis, passaram a produzir continuamente sempre o mesmo inseticida, levando ao surgimento de lagartas resistentes;
  • Algumas variedades não autorizadas para consumo têm sido encontradas em mistura com outras, nomeadamente no caso do milho, o que levou ao cancelamento da exportação de milho americano para outros países como a China, com prejuízos elevados para os produtores americanos;
  • A toxicidade crónica para o ser humano é preocupante, tendo em conta estudos independentes feitos em animais;
  • Para efeitos de aprovação oficial, a toxicidade, em especial a crónica, tem sido subavaliada, uma vez que os ensaios em ratos de laboratório têm apenas 3 meses (quando os efeitos na saúde surgem ao quarto mês!) e os estudos são todos feitos ou encomendados pelas empresas que produzem e vendem as sementes OGM;
  • O contributo para o problema da fome no mundo foi nulo, pois as variedades transgénicas não produzem mais que as outras e são destinadas quase exclusivamente à produção de rações para animais e não para alimentar diretamente as pessoas. 

A Monsanto tem sido a principal multinacional produtora de plantas OGM e tem ganho muito dinheiro com a sua venda, assim como com o grande aumento do seu herbicida.

O glifosato da Monsanto, o Roundup, já tinha perdido a patente, pois já tinham passados mais de 20 anos desde o início da sua comercialização.

Mas como ao utilizar a semente GMO o agricultor é obrigado contratualmente a utilizar o Roundup e não outra marca do mesmo herbicida, as vendas mundiais aumentaram substancialmente, assim como os lucros da empresa.

Entretanto a Syngenta lançou no mercado americano uma variedade de milho OGM não autorizada para consumo na China, o que levou ao cancelamento da exportação de milho contaminado com essa variedade.

O preço do milho baixou, os prejuízos dos produtores americanos são grandes e levaram a vários processos judiciais contra a Syngenta.

O feitiço virou-se contra o feiticeiro e a Monsanto também perde, o que se reflete em Bolsa.

Mas como os feiticeiros são ainda muito poderosos, estão a negociar o tratado transatlântico (TTIP) com a Comissão europeia, praticamente em segredo, para que as normas europeias se aproximem das americanas, ou seja, no caso dos OGM.

Para que tudo o que está aprovado nos Estados Unidos entre à vontade na Europa, e de preferência sem rotulagem, como acontece por lá.

Isto mesmo sabendo que um determinado milho OGM já provocou tumores e outras doenças em vários órgãos (fígado, rins, etc.).

Em ratos de laboratório e que o herbicida aplicado em grande escala está a provocar doenças e mortes em pessoas nas regiões de maior cultivo de OGM resistente ao glifosato.

Voltemos a produzir milho não para alimentar apenas porcos e frangos mas sim prioritariamente para alimentar pessoas.

Desde a tradicional broa de milho (ou com mistura de milho e trigo como a minha mãe tão bem sabia fazer), até aos bolos de milho-doce que dispensam juntar o açúcar (o milho-doce já tem açúcar suficiente).

Muitas opções há para comer milho e outros alimentos não OGM duma forma direta e muito mais eficiente.

Nas nossas hortas o milho também pode ser cultivado, em especial as variedades de milho-doce ( que se prestam a ótimas sobremesas), e as variedades de milho tradicional.