Antioxidantes: uma sinergia que importa para a sua saúde!

Bem Estar Entenda a importância e os benefícios de uma dieta rica em alimentos antioxidantes para à saúde.
Você vai ler:

Se há vários anos a palavra "antioxidante” poderia ser estranha à maioria das pessoas, hoje em dia, muitos são os que sabem que antioxidantes são substâncias que fazem bem à saúde.

É verdade que precisamos de antioxidantes, mas se os quer procurar, procure-os a todos, pois é na sinergia que está o segredo!

O que são antioxidantes?

Os antioxidantes são moléculas que protegem as células do nosso organismo porque neutralizam os radicais de livres de oxigénio.

Alguns são produzidos pelo organismo (enzimas como a catálase, glutationa), outros são ingeridos pela alimentação. Todos podem ser obtidos por suplementação.

Muitos são os estudos que demonstram que a falta de antioxidantes acelera o envelhecimento, aumenta o risco de desenvolvimento de doenças crónicas e que a prevenção passa também por um bom nível de antioxidantes.  

Mas as moléculas no nosso organismo interagem entre si e para um bom nível de antioxidantes, além de ponderar suplementação, deve utilizar a sua alimentação como fonte.

Veja os exemplos e comece já esta semana a melhorar o seu nível de antioxidantes:

  • Vitamina A: fígado (biológico se possível), batata doce, cenoura, abóbora, couves. 100g de  batata doce chegam a ter 300% da dose diária de vitamina A para uma adulto.
  • Vitamina C: pimentos, kiwis, laranjas, morangos, brócolos, couve, papaia, couve-de-bruxelas, tomate. 10-15 morangos fornecem aproximadamente a vitamina C que um adulto necessita por dia.
  • Vitamina E: sementes de girassol, amêndoas, avelãs, abacate , óleos de primeira pressão a frio de amêndoa, avelã. Usar sementes de girassol e óleo de amêndoa em saladas é ótima opção.
  • Selénio: não apresenta atividade antioxidante direta mas é essencial para o funcionamento de enzimas antioxidantes. A castanha do pará , sementes de girassol, atum, salmão, ostras, sardinhas. Uma única (5g) castanha do Brasil ou castanha-do-pará fornece cerce de 96µg - 170% da dose diária de selénio.
  • Zinco: tal como o selénio, o seu papel antioxidante é indireto. Ostras, gérmen de trigo, sementes de abóbora, bife, sementes de melancia, sementes de sésamo são exemplos de alimentos com zinco. Mas nenhum é tão rico como as ostras: apenas 30 gramas de ostras fornecem mais de 200% da dose recomendada de zinco para adultos.
  • Manganês: é necessário em pequenas quantidades e faz parte da enzima dismutase do superóxido que é antioxidante. A sua falta, além de problemas a nível de stress oxidativo pode estar envolvido na infertilidade.  O manganês encontra-se no trigo espelta, sementes de abóbora, sésamo e linhaça, avelãs, soja.
  • Luteína e zeaxantina: são pigmentos da família dos beta, alfa e gama carotenos, que são percursores da vitamina A. Têm efeito muito marcado a nível ocular: uma boa ingestão pode diminuir 50% o risco de degeneração macular.  Espinafres, brócolos, couve-de-bruxelas, ervilhas, cenouras, tomates, ovos. Existem em quantidade considerável nos legumes de folha escura, por isso use e abuse deles.
  • Licopeno: é um caroteno como a luteína que também não é percursor da vitamina A. Pelo facto de ser antioxidante existe muita investigação que demonstra efeitos positivos na prevenção e modulação de diversas doenças: cancro, problemas de pele, saúde ocular, doenças cardiovasculares.

Este pigmento pode ser encontrado em legumes e frutas avermelhados como o tomate (maior fonte), melancia, papaias, pimentos, toranja, mas também por exemplo nos espargos e couve roxa.

Não existe nos morangos e cerejas apesar de serem vermelhos.

Existem análises laboratoriais especiais através das quais se pode ter uma ideia bastante aproximada do stress oxidativo e da necessidade de antioxidantes. Faça esta avaliação antes de ponderar a suplementação.

De qualquer forma, manter uma alimentação variada será sempre bom para a sua saúde.