A vitamina que quase todos precisamos de tomar: Vitamina D!

Bem Estar Saiba tudo sobre a vitamina que quase todas as pessoas precisam tomar, a vitamina D.
Você vai ler:

Medicamentos contendo vitaminas, minerais, aminoácidos e proteínas podem ser considerados específicos.

As vitaminas são compostos orgânicos necessários à saúde do corpo humano. Intervêm em reacções metabólicas muito específicas e indispensáveis à vida.

Existem algumas correntes científicas que consideram o consumo de suplementos à base de vitaminas é um desperdício de dinheiro e comer correctamente soluciona as necessidades nutricionais do corpo humano.

Concordamos que um corpo saudável apenas necessita de uma alimentação equilibrada para manter a saúde.

Mas na actualidade e na nossa sociedade "civilizada” urbana, com aumento de tóxicos ambientais, comida pré cozinhada, excesso de conservantes, é possível que a maior parte da população comece a sofrer das chamadas "doenças da civilização”, em que existe permanentemente um conflito entre excessos e deficiência de micronutrientes.

O uso de suplementos vitamínicos e minerais podem ajudar a restabelecer o equilíbrio.

A suplementação deve ser personalizada, em doses adequadas, com supervisão dum profissional de saúde.

Existe uma vitamina que quase todos precisamos de tomar: Vitamina D

A deficiência de Vitamina D (saiba mais) é muito comum na população em geral e é apontada como responsável pelo aumento das doenças auto-imunes a nível mundial.

Os níveis de vitamina D no sangue dependem da exposição solar e este tipo de doenças são mais frequentes nos países com latitude elevada, onde a exposição solar é reduzida.

Níveis de vitamina D podem ser influenciados geneticamente e aumentar a susceptibilidade de vir a sofrer de doenças auto-imunes.

A deficiência de vitamina D é comum em indivíduos com mais de 60 anos e pode contribuir para a aceleração do envelhecimento e aparecimento das doenças degenerativas.

A Vitamina D em doses elevadas já faz parte do arsenal terapêutico em algumas doenças auto-imunes. Verificam-se os óptimos resultados na Esclerose Múltipla, Artrite Reumatóide, Psoríase, dermatite atópica, Lupus, doença de Chron, colite Ulcerosa e muitas outras.

Atualmente existem estudos que comprovam a sua eficácia na saúde reprodutiva, na prevenção do cancro, diabetes, obesidade, doenças cardiovasculares e hipertensão arterial.

A especificidade dum medicamento é a capacidade para se ligar a receptores específicos como por exemplo proteínas, para se tornarem activos.

Alguns ligam-se directamente ao DNA como a Vitamina D, antibióticos, antineoplásicos.

A Vitamina D que afinal é uma hormona esteróide é classicamente responsável pela regulação dos níveis de cálcio, fosforo, e mineralização óssea.

A vitamina D tem receptores específicos-VDR que estão presentes em vários tipos de celulas. Existem 2 formas de vitamina D: colecalciferol D3, é produzida na pele e o ergocalciferol D2 é de origem vegetal.

O colecalciferol, a forma mais importante, é sintetizada na pele, pela acção da radiação solar UV, onde a pró –vitamina D 3, 7 –desidrocolesterol, é convertida em pré- vitamina D3.

É transportada ligada a uma proteína, DPB, que é uma alfa 1 –globulina e necessita de ser activada em calcitriol -1,25OH2 D3 ,no figado. A enzima hepática, responsável por este processo, está ligada ao citocromo P 450, e tem representação genética no gene CYP27B1.

Pode haver mutação do gene CYP27B1, provocando baixos níveis de Vitamina D e consequente alteração da função celular.

Na comunidade científica existe alguma polémica quanto aos níveis ideais de Vitamina D. Internacionalmente é considerado normais valores entre 30 a 100 ng / ml e alguns investigadores consideram que o ideal seria manter o nível 60 a 80 ng/ml para benefício da saúde celular.

As concentrações de vitamina D durante o ano, na maior parte da população, têm variações que graficamente tem a forma de U, isto significa aumento da radiação UV durante o verão e baixa durante o inverno.

As flutuações na concentração de vitamina D segundo alguns investigadores não são desejáveis.

É desejável que as concentrações se mantenham altas e estáveis durante todo o ano para haver benefícios para a saúde.