A horta no pomar

Sustentabilidade Saiba como produzir mais cultivando a horta e o pomar juntos, veja aqui dicas e variedades.
Você vai ler:

A agricultura dita "moderna” simplificou o ecossistema agrícola e separou a horta do pomar.

Na agricultura biológica procura-se aumentar a biodiversidade vegetal, diversificando as culturas, quer as espécies quer as variedades.

Embora na maior parte dos casos os agricultores separem a produção hortícola da produção frutícola, ou seja, horta de um lado e pomar do outro, há quem procure aproveitar ao máximo a terra para produzir.

Em especial nos primeiros anos do pomar, fica muito espaço disponível para cultivar como horta. É o caso da figura 1 em que na entrelinha do pomar o agricultor semeou melões, meloas e melancias.

É claro que é preciso aumentar a fertilização e a rega. O consumo de água vai aumentar (cerca de 5 litros/m2/dia) na área de terra transformada em horta.

Estas culturas (da família das cucurbitáceas) devem ser feitas numa só das entrelinhas do pomar, em alternância com a entrelinha seguinte que fica enrelvada, de modo a permitir a fácil circulação e eventual tratamento fitossanitário do pomar.

Outra variedade interessante de melão cultivada ma mesma horta e pouco conhecida em Portugal, é a Hales Best Jumbo, que na Califórnia já foi considerado o melhor melão tradicional.

Mas melões tradicionais ainda temos também em Portugal, em especial os seguintes:

  • Casca de carvalho (Entre-Douro-e-Minho), com pelo menos 3 diferentes variedades em diversas terras, com casca reticulada como as meloas mas de forma alongada;
  • Tendral de Campo Maior (também conhecido por casca de carvalho, de casca verde escuro e relevo acentuado), selecionado para resistir ao oídio na Estação nacional de melhoramento de plantas em Elvas e aparentado ao Valenciano tardio;
  • Carrasco e Lagarto, as duas variedades mais conhecidas de Trás-os-Montes, em especial no Vale da Vilariça;
  • Manuel António, do Ribatejo e recentemente objeto duma indicação geográfica protegida (IGP), selecionado por um agricultor com o mesmo nome;
  • Marmelinho, do Alentejo, verde amarelado por fora e alaranjado por dentro.

Destas variedades tradicionais portuguesas não é muito fácil encontrar sementes à venda, pois até o "Tendral de Campo Maior”, um dos poucos que está inscrito no Catálogo nacional de variedades, é em geral substituído ao balcão pelo Valenciano tardio, que é parecido mas não é o mesmo.

Resta pois recolher as sementes junto dos agricultores ou comprar-lhes bons melões na esperança de que nessa horta e nas hortas vizinhas não tenham sido cultivadas outras variedades de melão.

É que não convém haver outras variedades (melão ou meloa) a menos de 500m, por causa da polinização cruzada feitas pelas abelhas (e outros insetos), que é boa para o vingamento dos frutos mas afeta a geração seguinte de melões.