A alimentação biológica – moda ou saúde?

Alimentação Venha descobrir o que é uma alimentação biológica e se ela faz bem para a saúde ou é só moda.
Você vai ler:

Um alimento de agricultura biológica quando bem produzido e em zonas não poluídas pela agricultura convencional, não deve conter resíduos de pesticidas de síntese química, uma vez que estes não são autorizados.

Podem surgir resíduos dos poucos pesticidas autorizados como os fungicidas de cobre (sulfato ou calda bordalesa, hidróxido, oxicloreto, ou óxido cuproso) ou de enxofre (pó polvilhável, ou pó molhável), mas em pequena quantidade e sem risco para a saúde.

E os poucos resíduos existentes podem ser removidos por lavagem pois todos os pesticidas biológicos são de contacto, ao contrário de muitos dos de síntese que são sistémicos.

Isto quer dizer que os biológicos ficam no exterior da planta (e do alimento), e que muitos dos químicos entram para o interior da planta (e do alimento).

Nos estudos comparativos divulgados pelo FIBL, realizados na Alemanha e nos Estados Unidos, o valor médio de resíduos de pesticidas nos alimentos "biológicos” foi de 0,002mg/kg, contra de 0,4mg/kg nos "convencionais ", ou seja, 200 vezes menos, e com a maioria dos alimentos de agricultura biológica sem qualquer resíduo.

Considerando por cada tipo de alimentos, os frutos "biológicos” tiveram 550 vezes menos e os hortícolas "biológicos” 700 vezes menos!

E será que com um valor médio de 0,4mg/Kg os pesticidas de síntese química são perigosos para a saúde?

A toxicidade crónica (efeitos da ingestão diária ao longo da vida de uma pessoa), pode provocar cancro, perturbações na reprodução e no desenvolvimento dos fetos, alterações genéticas e doenças no sistema nervoso.

Apesar da proibição na Europa de alguns pesticidas de alta toxicidade aguda no processo de reavaliação toxicológica que a Comissão Europeia tem vindo a desenvolver, ainda são aplicados na agricultura europeia e portuguesa, pesticidas muito tóxicos e persistentes.

Em 2005 estavam comercializados em Portugal, no conjunto das 261 substâncias ativas de pesticidas, 8 muito tóxicas, 38 tóxicas, 46 cancerígenas, 6 mutagénicas, 43 com efeitos na reprodução, 48 com risco de lesões oculares graves, 46 perigosas para os pulmões e, ainda, 7 com efeitos preocupantes.

Na Europa, em 2009, estavam identificadas 10 substâncias ativas de pesticidas com ação disruptora endócrina comprovada, e mais 11 em que essa ação era possível. Alguns desses pesticidas são ainda muito utilizados, dos quais destacamos três:

  • Deltametrina, mais conhecido pelo mais comum dos produtos comerciais (DECIS), muito aplicado nas hortas "convencionais” e até "familiares” por ter um curto intervalo de segurança, nalguns casos de apenas 3 dias (alface, morango e tomate)!?;
  • Mancozene (vários produtos comerciais), muito usado em hortas, vinhas e pomares, para combater diversas doenças como o míldio e o pedrado;
  • Tirame (vários produtos comerciais), muito aplicado na desinfeção de sementes, em particular nas híbridas mas infelizmente também já nalgumas tradicionais que se encontram à venda comercialmente.

Quanto ao efeito da alimentação biológica no nível de resíduos de pesticidas em pessoas adultas, se ainda havia dúvidas, um estudo recente (Oates, L., 2014. Reduction in urinary organophosphate pesticide metabolites in adults after a week-long organic diet.

Environmental Research 132 (2014) 105-111) mostra que esse efeito é significativo logo ao fim de uma semana a consumir alimentos biológicos.

Os pesticidas estudados foram os inseticidas organosfosforados, grupo de alta toxicidade aguda e crónica, a que pertence o paratião (produto comercial E 605 Forte) já proibido em Portugal devido aos suicídios, e o clorpirifos, ainda muito usado em Portugal em hortas, pomares e vinhas e com 19 produtos comerciais homologados pela DGAV (Guia dos produtos fitofarmacêuticos, 2012)!

Neste estudo feito com 13 pessoas adultas, foi dada uma alimentação com pelo menos 80% de ingredientes de agricultura biológica durante 7 dias e alternadamente com alimentação de agricultura convencional por igual período.

Ao fim de 7 dias de alimentação biológica, os níveis de resíduos dos pesticidas analisados foram 89% mais baixos em comparação com o período de 7 dias após a alimentação convencional, nas mesmas pessoas!

Na horta biológica podemos produzir os alimentos que também são os nossos medicamentos, com muita diversidade e muita cor em pouco espaço.

Podemos produzir bons legumes como as beterrabas vermelhas, as pasticacas ou cherovias e pequenos frutos como os morangos.

E com mais saúde também temos mais energia para produzir bons legumes e bons frutos.